Back
 JWARP  Vol.11 No.11 , November 2019
Assessment of the Demarcation Method for Federal Riverine and Accreted Lands: Case Study of the Rio De Janeiro State Section of the South Paraíba River
Abstract: This study analyzes the demarcation method of riverine and accreted land of the Brazilian Federal Heritage Department and proposes the incorporation of the flow rate corresponding to the recurrence interval of two years, as recommended by the State Environmental Institute of the state of Rio de Janeiro. The case study of the Rio de Janeiro section of the Paraiba do Sul River was investigated, and the results indicate that the Federal Heritage Department’s method does not consider the ongoing anthropization of the river, caused mainly by the construction and operation of hydroelectric plants. In addition, it was observed that the limnimetric scales of the studied gauging stations are influenced by constant changes in the riverbed and by riverbank occupation, making it difficult to estimate the ordinary flood level. The study concludes by suggesting the adoption of a flow rate with a recurrence interval of two years and the simulation of the runoff conditions for demarcation of the average ordinary flood line.
Cite this paper: Oliveira, J. , Hora, M. and Freitas, M. (2019) Assessment of the Demarcation Method for Federal Riverine and Accreted Lands: Case Study of the Rio De Janeiro State Section of the South Paraíba River. Journal of Water Resource and Protection, 11, 1313-1326. doi: 10.4236/jwarp.2019.1111076.
References

[1]   Pereira, R.R. (2009) Planejamento Territorial: Suas Implicações para a Promoção da Saúde e da Justiça Ambiental. GEOUSP: Espaço e Tempo [Online], São Paulo, N. 26, 19-27.
https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2009.74125

[2]   SPU (2001) Secretaria do Patrimônio da União. Orientação Normativa que disciplina a demarcação de terrenos marginais e seus acrescidos (ON-GEADE-03). Report. Rio de Janeiro.

[3]   Nascimento, A.C.B. (2015) Demarcar margens de rios não navegáveis como terreno de marinha é ilegal. Revista Consultor Jurídico [Online], 14 jul 2015.

[4]   TCU (2015) Tribunal de Contas da União. Acórdão 175/2015.
https://contas.tcu.gov.br/sagas/SvlVisualizarRelVotoAcRtf?codFiltro=SAGAS-SESSAO-ENCERRADA&seOcultaPagina=S&item0=510874

[5]   Brasil (2012) Law 12.651. Diário Oficial da União, Section 1, Page 1, 28 May 2012.

[6]   Junior, M.M.C. (2013) Metodologia para determinação das Áreas de Preservação Permanente das margens de cursos d’água: Um estudo de caso na Bacia do Rio Piabanha. Dissertation, Rio de Janeiro Federal University, Rio de Janeiro.

[7]   Tucci, C.E.M. (2008) Águas urbanas. Estudos Avançados, 22, 97-112.
https://doi.org/10.1590/S0103-40142008000200007

[8]   Destefani, E.V. (2005) Regime Hidrológico do Rio Ivaí—PR. Dissertation. Maringá State University, Maringá.

[9]   Gumbel, E.J. (1945) Floods Estimated by Probability Method. Engineering News Record, 134, 833-837.

[10]   Leopold, L.B., Wolman, M.G. and Miller, J.P. (1964) Fluvial Processes in Geomorphology. Dover Publications, New York, 544 p.

[11]   Eletrobras (1999) Centrais Elétricas Brasileiras S. A. Diretrizes para Estudos e Projetos de Pequenas Centrais Hidrelétricas.
https://eletrobras.com/pt/Paginas/Manuais-e-Diretrizes-para-Estudos-e-Projetos.aspx

[12]   Cohidro (2014) Cohidro Consultoria Estudos e Projetos Ltda. Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul e Planos de Ação de Recursos Hídricos das Bacias Afluentes. Report RP 06. Rio de Janeiro.

[13]   Brasil (2000) Law 9.984. Diário Oficial da União, Section 1, Page 1, 18 July 2000.

[14]   Ana (2018) Agência Nacional de Águas. Mapa da Bacia do Rio Paraíba do Sul.
http://arquivos.ana.gov.br/institucional/sag/CobrancaUso/BaciaPBS/_img/MapaPBS.jpg

[15]   Sampaio, M. (2010) Apresentação sobre Usinas Hidrelétricas.
https://slideplayer.com.br/slide/3115182

[16]   Ons (2015) Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atualização de Séries Históricas de vazões—Período 1931 a 2014—ONS RE ONS 0205/2015. Report. Rio de Janeiro.

[17]   Labhidro (2014) Laboratório de Hidrologia e Estudos de Meio Ambiente. Elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro—R3-A—Temas Técnicos Estratégicos—RT-05—Aproveitamentos Hidrelétricos no Estado do Rio de Janeiro. Relatório. Rio de Janeiro.

[18]   Ana (2015) Agência Nacional de Águas. Plano de Ações Complementares para a Gestão da Crise Hídrica na Bacia do Rio Paraíba do Sul. Report. Brasília.

[19]   Aneel (2011) Agência Nacional de Energia Elétrica. UHE Simplício—Queda Única tem mais prazo para entrar em operação. Report. Brasília.

[20]   Furnas (2018) Furnas Centrais Elétricas S. A. Usina de Simplício/Anta—333,7 MW.
http://www.furnas.com.br/subsecao/132/usina-de-simplicio-anta---3337-mw

[21]   Corrêa, W.G. (1997) UHE Ilha dos Pombos—Estudos sobre a Reatividade Alcali-Agregado no Concreto da UHE Ilha dos Pombos e as Medidas de Proteção adotadas. In: I Simpósio sobre Reatividade Álcali-Agregado em Estruturas de Concreto, 1, 1997. Goiânia.

[22]   Brasil (1946) Presidential Decree n° 20.657. Diário Oficial da União, Section 1, Page 3140, 1st Mar. 1946.

[23]   Rio de Janeiro. State Law n° 650 (1983) Diário Oficial do Estado do Estado do Rio de Janeiro, Section 1, Page 1, 12 Dec. 1983.

[24]   Serla (1997) Superintendência Estadual de Rios e Lagoas. Portaria SERLA n° 261-A.
http://oads.org.br/leis/1132.pdf

[25]   Inea (2016) Instituto Estadual do Ambiente. Norma operacional para demarcação das faixas marginais de proteção e das faixas non aedificandi de cursos d’água no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.
http://200.20.53.26:8080/cs/idcplg?IdcService=FLD_BROWSE&path=%2FLegisla%C3%A7%C3%A3o%2FNOP%20%E2%80%93%20
Norma%20Operacional


[26]   Aneel (2009) Agência Nacional de Energia Elétrica. Diretrizes para elaboração de serviços de cartografia e topografia, relativos a estudos e projetos de aproveitamentos hidrelétricos. Report. Brasília.

[27]   Oliveira, J.S. and Hora, M.A.G.M. (2013) Avaliação das Alterações do Regime Fluvial do Rio Paraíba do Sul pela Operação dos Aproveitamentos Hidrelétricos. I Congresso Fluminense de Engenharia, Tecnologia e Meio Ambiente, Niterói, Vol. 1.

[28]   Marengo, J.A. and Alves, L.M. (2005) Tendências hidrológicas da bacia do rio Paraíba do Sul. Revista Brasileira de Meteorologia, 20, 215-226.

 
 
Top