CE  Vol.6 No.22 , December 2015
Transvestite and Transsexual Teachers: The “High Heels Pedagogy”
ABSTRACT
In the Brazilian educational scenario, transvestite and transsexual teachers are increasingly visible, and cause repercussions generally related to the prejudice and discrimination they suffer. This text investigates the pedagogical and educational consequences of the presence of transvestite and transsexual teachers in the classroom. Following the careers of a group of these teachers in several states of Brazil, we try to identify the elements that characterize their action in the classroom, and reach the proposition of the “high heels pedagogy”. In this pedagogical modality, two strong elements are combined, being a woman and being a teacher. The “high heels pedagogy” is about an educational activity that evades the traditional bodiless and sexless figure of the teacher. Contrary to what may be thought, a certain amount of eroticism and production of the woman who “has the role” in being a teacher, far from “misrepresenting” the space of the classroom, has brought out the power of affection. This results in a professional who is more skilled and involved with work, and a woman who assumes herself as adult reference in the classroom.

Cite this paper
Seffner, F. and Reidel, M. (2015) Transvestite and Transsexual Teachers: The “High Heels Pedagogy”. Creative Education, 6, 2372-2383. doi: 10.4236/ce.2015.622243.
References
[1]   Aguinsky, B. G., Ferreira, G. G., & Rodrigues, M. C. (2013). A carteira de nome social para travestis e transexuais no Rio Grande do Sul: Entre polêmicas, alcances e limites.
http://www.fazendogenero.ufsc.br/10/resources/anais/20/1387471840_ARQUIVO_BeatrizGershensonAguinsky.pdf

[2]   Benedetti, M. (1998). Hormonizada!-Reflexões sobre o uso de hormônios e tecnologia do gênero entre travestis de Porto Alegre. In Proceedings XXVIII Reunião da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciências Sociais, Caxambu, Minas Gerais, 47-62.

[3]   Benedetti, M. (2000). Gênero: Conceitos e possibilidades. Nós Mulheres: Gênero, Pobreza e AIDS, Porto Alegre.

[4]   Benedetti, M. (2005). Toda feita: O corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond.

[5]   Bento, B. (2006). A reinvenção do corpo: Sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond.

[6]   Bento, B. (2008). O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense.

[7]   Braidotti, R. (2011). Nomadic Subjects: Embodiment and Sexual Difference in Contemporary Feminist Theory. New York, NY: Columbia University Press.

[8]   Capuchinho, C. (2014). Preconceito está nos professores e não nos alunos, diz docente transexual. UOL Educaçao.
http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/02/20/preconceito-esta-nos-professores-e-nao-nos-alunos-diz-docente-transexual.htm

[9]   Csordas, T. J. (2003). Embodiment and Experience: The Existential Ground of Culture and Self. Cambridge: Cambridge University Press.

[10]   Foucault, M. (1985). História da Sexualidade 1: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

[11]   Hall, S. (2000). Quem Precisa de Identidade? In T. T. Silva (Ed.), Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais (pp. 103-133). Petrópolis: Vozes.

[12]   Hooks, B. (2013). Ensinando a transgredir: A educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes.

[13]   Lulkin, S. A. (2007). O riso nas brechas do siso. Doctoral Thesis, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
http://hdl.handle.net/10183/10256

[14]   Mello, L., & Crillanovick, Q. T. M. (1999). A Cidadania e os Direitos Humanos de Gays, Lésbicas e Travestis. In D. D. Oliveira, R. B. Lima, S. A. Santos, & T. L. D. Tosta (Eds.), 50 Anos Depois: Relações raciais e grupos socialmente segregados (pp. 167-186). Brasília: Movimento Nacional de Direitos Humanos.

[15]   Miskolci, R. (2007). Panicos morais e controle social—Reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, 28, 101-128.
http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332007000100006

[16]   Patrício, M. C. (2002). Travestismo: Mobilidade e construção de identidades em Campina Grande. Master’s Thesis, Antropologia Social, Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

[17]   Pelúcio, L. (2009). Abjeção e desejo: Uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de AIDS. São Paulo: Annablume/ Fapesp.

[18]   Rorty, R. (2007). Contingência, ironia e solidariedade. São Paulo: Martins Fontes.

[19]   Seffner, F. (2010). Saberes da docência, saberes da disciplina e muitos imprevistos: Atravessamentos no território do ensino de História. In V. L. M. Barroso, N. M. Pereira, M. A. Bergamaschi, S. T. Gedoz, & H. S. Padrós (Eds.), Ensino de História: Desafios Contemporaneos (pp. 213-230). Porto Alegre: EST Edições ANPUH RS.

[20]   Silva, H. (1993). Travesti: A invenção do feminino. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

[21]   Silva, H., & Florentino, C. (1996). A sociedade dos travestis: Espelhos, papéis e interpretações. In R. Parker, & R. Barbosa (Eds.), Sexualidades Brasileiras (pp. 105-118). Rio de Janeiro: ABIA/IMSUERJ/Relume-Dumará.

 
 
Top