JSS  Vol.3 No.9 , September 2015
Women Go Shopping; Discussing the Female Intergenerational Behaviour and the “Green Consumption”
ABSTRACT
This test was developed in order to discuss the intergenerational buying behavior, with females clipping, with respect to the consumption of products with ecological appeal or “green products” in post-modernity. The methodology is through an exploratory qualitative research, carried out from a field investigation with interviews conducted in November 2014 at the exits of shopping malls in the north and south zones of Rio de Janeiro. The theoretical bases of this study are grounded on the concepts proposed by Zygmunt Bauman, Nestor Canclini and Gilles Lipovetsky. The study compiles the characteristics inherent to the Baby Boomer generation, and Generations X, Y and Z, with emphasis on the behavior of Generation Y. The analysis of data from these generations reveals a Gen Y woman with a paradoxical consumer behavior, showing that the influence of fashion, media and academic information makes these young people oscillate between following the most superficial fashion trends or consider calls for a deeper discussion of environmental issues. This consumer logic shows the Gen Y woman from a consumer identity point of view that reflects values of an individualist ethics (Ethos market).

Cite this paper
Tavares, F. , Torres, G. , Pontes, F. and Topke, D. (2015) Women Go Shopping; Discussing the Female Intergenerational Behaviour and the “Green Consumption”. Open Journal of Social Sciences, 3, 172-181. doi: 10.4236/jss.2015.39024.
References
[1]   Tavares, F. and Irving, M. (2009) Natureza S/A: O consumo verde na lógica do Ecopoder. Rima, São Carlos.

[2]   Bauman, Z. (2001) Modernidade líquida. Jorge Zahar Ed., Rio de Janeiro.

[3]   Lipovestsky, G. (2009) O império do efêmero: A moda e seu destino nas sociedades modernas. Companhia das Letras, São Paulo.

[4]   Bauman, Z. (1999) Globalização: As consequências humanas. Jorge Zahar Ed., Rio de Janeiro.

[5]   Canclini, N.G. (1999) Consumidores e cidadãos: Conflitos multiculturais da globalização. Editora UFRJ, Rio de Janeiro.

[6]   Tavares, F. and Irving, M. (2013) Sustentabilidade líquida: Ressignificando as Relações entre Natureza, Capital e Consumo em tempos de fluidez. Revista Espaço Acadêmico—UEM, 13, 1-11.

[7]   Bauman, Z. (2015) Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar. In: Revista Isto, é., On Line de 24 de setembro de 2010. http://www.istoe.com.br

[8]   Bauman, Z. (1998) O mal-estar da pós-modernidade. Jorge Zahar Ed., Rio de Janeiro.

[9]   Engelmann, D.C. (2014) O Futuro da Gestão de Pessoas: Como lidaremos com a geração Y? 2009. http://www.rh.com.br

[10]   Shiyashiki, E. (2014) A geração Z e o mercado de trabalho. http://www.administradores.com.br

[11]   Solomon, M.R. (2002) O Comportamento do Consumidor: Comprando, Possuindo e Sendo. 5th Edition, Bookman, Porto Alegre.

[12]   Conger, J. (1998) Quem é a geração X? HSM Management, No. 11, 128-138.

[13]   Raines, C. (2000) Beyond Generation X: A Practical Guide for Managers. Course Tecnology.

[14]   Lombardia, P.G. (2008) Quem é a geração Y? HSM Management, No. 70, 1-7.

[15]   Oliveira, S. (2009) Geração Y: Era das Conexões, tempo de Relacionamentos. Clube de Autores, São Paulo.

[16]   Sibilia, P. (2002) O homem pós-organico: Corpo, subjetividade e tecnologias digitais. Relume Dumará, Rio de Janeiro.

[17]   Gonçalves, M. (2011) Riscos da ansiedade da Geração Y. Jornal de Piracicaba, 13/03/2011.

[18]   Baudrillard, J. (1995) A sociedade de consumo. Elfos, Rio de Janeiro.

[19]   Tavares, F. and Ferreira, G. (2012) Marketing verde: Um olhar sobre as tensões entre greenwashing e ecopropaganda na construção do apelo ecológico na comunicação publicitária. Revista Espaço Acadêmico, No. 138. Novembro de 2012. Mensal. Ano XII.

[20]   Hawken, P., Lovins, A. and Lovins, L.H. (1999) Capitalismo Natural, Criando a próxima revolução Industrial. Cultrix, São Paulo.

[21]   Stark, L. (1991) Lutando por nosso futuro comum. FGV, Rio de Janeiro.

[22]   Tavares, F. (2014) “Sustentabilidade líquida”: O consumo da natureza e a dimensão do capitalismo rizomático nos platôs da sociedade de controle. Editora Sesc, Rio de Janeiro, Vol. 9, No. 26.

[23]   Tavares, F., Irving, M. and Vargas, R. (2013) O “Ter Humano” e os “Kits de Subjetividade”: Uma Perspectiva Psicossociológica do Consumo Através da Publicidade. In: Intercom—Sociedade Brasileira de Estudos Interdis- ciplinares da Comunicação, XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Manaus.

[24]   Ottman, J. (1994) Marketing Green: Desafios e oportunidades para era do marketing. Makrobooks, São Paulo.

[25]   Pelbart, P.P. (2003) Vida capital. Ensaios de biopolítica. Iluminuras, São Paulo.

 
 
Top