CE  Vol.6 No.5 , April 2015
The Play in the Context of Early Childhood Education in the View of Nurseries Professionals
ABSTRACT
The activities carried out with the child 0 - 2 years, as the play are vitals for the development of perceptions, movements, postures and intelligence contributing to the acquisition of psychomotor and cognitive skills. The family has played an important role in providing this tool, but today, in Brazil, the children in this age group have attended the Early Childhood Education institutions. Thus, the objective of this research was to determine the meaning given by professionals from the nursery to the activities to play of the age group 0 - 2 years. Participated a total of 128 professionals working in municipal nurseries of a medium-sized city of São Paulo. They were asked about the importance of play and toy for children 0 - 2 years and how it is offered in the nursery routine. The answers were analyzed based on qualitative data analysis technique and enhanced with concepts of thematic analysis. They were organized in themes importance of play; proposals for toys and games; organization of time, space and materials for activities to play; participation in the activities of play. The results indicate that: 1) the activity of play is considered important by the participants for both the development and the learning; 2) teachers are responsible for organizing this activity focused on educational planning; 3) they report that playing at this age is difficult, especially with the smaller, because of the nursery routine of the organization. Therefore, this work contributes to the design of the activities of play, more suitable to the needs of the public attended, aiming at the global development of the baby.

Cite this paper
de Vitta, F. , Giroto, C. , de Castro, R. , Campanhã, D. , de Souza, M. , Solana, B. , Novaes, C. , Cicilino, J. and de Vitta, A. (2015) The Play in the Context of Early Childhood Education in the View of Nurseries Professionals. Creative Education, 6, 519-525. doi: 10.4236/ce.2015.65051.
References
[1]   Almeida, C. S., & Valentini, N. C. (2010). Integração de informação e reativação da memória: Impacto positivo de uma intervenção cognitivo-motora em bebês. Revista Paulista de Pediatria (Impresso), 28, 15-22.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822010000100004

[2]   Almeida, D. M., & Casarin, M. M. A. (2002). Importância do Brincar pra a Construção do Conhecimento na Educação Infantil. Santa Maria: Revista Educação Especial, No. 19.
http://coralx.ufsm.br/revce/ceesp/2002/01/a6.htm

[3]   Bonome-Pontoglio, C. F., & Marturano, E. M. (2010). Brincando na creche: Atividades com crianças pequenas. Estudos de Psicologia (Campinas), 27, 365-373.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2010000300008

[4]   Brasil (1998). Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacio- nal para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF.

[5]   Brasil (2010). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB.

[6]   Brasil (2012). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e brincadeiras de creche: Manual de orientação pedagógica/Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica-Brasília: MEC/SEB.

[7]   Bryman, A., & Burgess, R. G. (1999). Analyzing Qualitative Data. London: Routledge.

[8]   Campos, M. M., Esposito, Y. L., Bhering, E., Gimenes, N., & Abucham, B. (2011). A qualidade da educação infantil: Um estudo em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa, 41, 20-54.
http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742011000100003

[9]   Figueiredo, M. X. B. (2009). A corporeidade na escola: Brincadeiras, jogos e desenhos (6th ed.) Pelotas: Editora Uni- versitária-UFPel.

[10]   Iza, D. F. V., & Mello, M. A. (2009). Significado e sentido da atividade de brincadeira para professoras de educação in- fantil. Santa Maria: Educação, 34.
http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/reveducacao/article/view/240

[11]   Jesus, A. C. A. (2010). Como aplicar jogos e brincadeiras na educação infantil. Rio de Janeiro: Brasport.

[12]   Macarini, S. M., Martins, Gabriela, D. F., & Vieira, M. L. (2009). Promovendo saúde e desenvolvimento na educação infantil: uma atuação da Psicologia. Paidéia (Ribeirão Preto), 19, 231-237.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2009000200011

[13]   Marques, R. L., & Bichara, I. D. (2011). Em cada lugar um brincar: reflexão evolucionista sobre universalidade e diversidade. Estudos de Psicologia (Campinas), 28, 381-388.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2011000300010

[14]   Meneghini, R. & Carvalho, M. C. (2003). Arranjo espacial na creche: Espaços para interagir, brincar isoladamente, dirigir-se socialmente e observar o outro. Psicologia: Reflexão e Crítica. Ribeirão Preto, 16, 367-378.
http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722003000200017

[15]   Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (11th ed.). São Paulo: Hucitec.

[16]   Navarro, M. S., & Prodócimo, E. (2012). Brincar e mediação na escola. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 34, 633- 648.
http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32892012000300008

[17]   Oliver, G. C. (2012). A importância do brincar na educação infantil. Rio de Janeiro: Trabalho de conclusão de curso (Faculdade de Psicologia), Universidade Veiga de Almeida.

[18]   Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (2002). Educação e Cuidado na Primeira Infância: Gran- des desafios. Brasília: UNESCO.

[19]   Paniagua, G., & Palacios, J. (2005). Educação infantil: Resposta educativa à diversidade. Porto Alegre: Artmed Editora.

[20]   Pilz, E. M. L., & Schermann, L. B. (2007). Determinantes biológicos e ambientais no desenvolvimento neuropsicomotor em uma amostra de crianças de Canoas/RS. Ciência e Saúde Coletiva, 12, 181-190.
http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000100021

[21]   Rosa, R. T. D. (2001). Ensino de Ciências e Educação Infantil. In C. M. Craidy, & G. E. P. S. Kaercher (Eds.), Educação Infantil: Pra que te Quero? (pp. 153-164). Porto Alegre: Artmed.

[22]   Siaulys, M. O. C. (2005). Brincar para todos. Brasília: MEC/SEESP.

[23]   Takadori, M. (2012). O brincar na Terapia Ocupacional: Um enfoque na criança com lesões neurológicas. São Paulo: Zagodoni Editora.

[24]   Vitta, F. C. F., & Emmel, M. L. G. (2004). A dualidade cuidado × educação no cotidiano do berçário. Paidéia, Ribeirão Preto, 14, 177-189.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2004000200007

[25]   Vitta, F. C. F., & Vitta, A. (2012). Promoção do desenvolvimento da criança no contexto educacional: O berçário. In L. O. Zaniolo, & M. J. C. Dall’acqua (Eds.), Inclusão escolar: Pesquisando políticas públicas, formação de professores e práticas pedagógicas (pp. 141-162). Jundiaí: Paco Editorial.

 
 
Top