CE  Vol.5 No.20 , November 2014
The Acting in Group of Teachers as Possibility of Resignification of the Interpretation about the Writing Language
ABSTRACT
Front of the possibility of acting with the teachers who teach in schools of Early Childhood Education for children aged six years, about the re-siginification of the understanding of writing language and of the importance of the child in this age group establish a positive relationship with this mode of language, was developed in 2011, a project linked to the Teaching of UNESP titled “Depathologization learning of the writing and inclusive education: reflections and actions of the teacher of Early Childhood Education”. This project aims to identification of the actions, in the classroom, of the patologization and subsequent implementation of actions depathologization writing by teachers’ actions, considering the increasingly early systematization of formal education of this kind of language in kindergarten. To this end, procedures that characterize the collaborative methodology are adopted. Throughout the methodological course, the engagement of the teachers, of the coordination and of the direction was valued, which seemed to favor both the formation, as the maintenance of the group, were very important aspects to ensure the interaction between its members and the common interest in the reflection about the topic in question. This paper focuses attention on whether thematic axes highlight during the initial survey of the expectations of teachers subsequently addressed in theoretical and reflective meetings leading up to identification of actions the patologization and/or of the proposition of the actions despatologizadoras of the learning of the writing, and in what refers to the way they are addressed.

Cite this paper
Giroto, C. , de Castro, R. , de Vitta, F. and Cicilino, J. (2014) The Acting in Group of Teachers as Possibility of Resignification of the Interpretation about the Writing Language. Creative Education, 5, 1834-1841. doi: 10.4236/ce.2014.520204.
References
[1]   Abaurre, M. B. (2001a). Os primeiros sinais. In M. B. Abaurre, R. S. Fiad, & M. L. Mayrink-Sabinson (Eds.), Cenas de aquisição da escrita: O sujeito e o trabalho com o texto (2nd ed., pp. 175-184). Campinas, SP: Mercado de Letras.

[2]   Abaurre, M. B. (2001b). Dados da escrita inicial: Indícios de constituição da hierarquia de constituintes silábicos? In C. L. M. Hernandorena (Ed.), Aquisição de língua materna e de língua estrangeira: Aspectos fonético-fonológicos (pp. 63-85). Pelotas: EDUCAT.

[3]   Abaurre, M. B., Fiad, R. S., & Mayrink-Sabinson, M. L. (2001c). Em busca de pistas. Cenas de aquisição da escrita: O sujeito e o trabalho com o texto (2nd ed., pp. 13-36). Campinas, SP: Mercado de Letras.

[4]   Berberian, A. P. (2003). Princípios norteadores da avaliação clínica fonoaudiológica de crianças consideradas portadoras de distúrbios de leitura e escrita. In A. P. Berberian, G. A. Massi, & A. C. Guarinello (Eds.), Linguagem escrita: Referenciais para a clínica fonoaudiológica (pp. 11-38). São Paulo: Plexus.

[5]   De Lemos, C. T. G. (1982). Sobre aquisição da linguagem e seu dilema (pecado) original. Boletim da Abralim, 3.

[6]   Franchi, C. (1992). Linguagem: Atividade constitutiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, 22, 9-39.

[7]   Geraldi, J. W. (1996). Convívio paradoxal com o ensino de leitura e escrita. Cadernos de Estudos Linguísticos, 31, 127-143.

[8]   Koch, I. V. (1995). Aquisição da escrita e textualidade. Cadernos Cedes, 29, 109-117.

[9]   Koch, I. V. (2000). O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto.

[10]   Koch, I. V. (2001). A coesão textual (15th ed.). São Paulo: Contexto.

[11]   Koch, I. V., & Travaglia, L. C. (1996). A Coerência Textual (7th ed.). São Paulo: Contexto.

[12]   Lacerda, C. B. F. (1995). Inter-relação entre oralidade, desenho e escrita: O processo de construção do conhecimento. São Paulo: Cabral Editora.

[13]   Luria, A. R. (1988). O desenvolvimento da escrita na criança. In L. Vygotsky, A. R. Luria, & A. N. Leontiev (Eds.), Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (pp. 143-189). São Paulo: ícone Editora.

[14]   Marcuschi, L. A. (2001). Da fala para a escrita: Atividades de retextualização (3rd ed.). São Paulo: Cortez.

[15]   Mayrink-Sabinson, M. L. T. (2001). O papel do interlocutor. In M. B. Abaurre, R. S. Fiad, & M. L. Mayrink-Sabinson (Eds.), Cenas de aquisição da escrita: O sujeito e o trabalho com o texto (2nd ed., pp. 117-151). Campinas, SP: Mercado de Letras.

[16]   Nemirovsky, M. (2002). O ensino da linguagem escrita. Porto Alegre: Artmed.

[17]   Panhoca, I. (2002) O grupo terapêutico fonoaudiológico e sua articulação com a perspectiva histórico-cultural. In C. B. F. Lacerda, & I. Panhoca (Eds.), Tempo de Fonoaudiologia III (pp. 15-24). Taubaté: Cabral.

[18]   Panhoca, I. (2004) Grupo terapêutico-fonoaudiológico: Refletindo sobre esse novo fazer. In L. P. Ferreira, D. M. Beffi-Lopes, & S. C. O. Limongi (Orgs.), Tratado de Fonoaudiologia (pp. 1054-1058). São Paulo: Roca.

[19]   Possenti, S. (2002). Sobre a natureza dos erros, especialmente os de grafia. In A. C. B. Lodi, K. M. P. Harrison, & S. R. L. Campos (Org.), Letramento e minorias (pp. 27-46). Porto Alegre: Mediação.

[20]   Rojo, R. H. R. (1994). Prefácio. In: A. T. B. C. Dauden (Org.), A criança e o outro na construção da linguagem escrita. São Paulo: Pancast.

[21]   Rojo, R. H. R., & Cordeiro, G. S. (2004) Apresentação: Gêneros orais e escritos como objetos de ensino: Modo de pensar, modo de fazer. Gêneros orais e escritos na escola (pp. 7-20). Campinas, SP: Mercado de letras.

[22]   Schneuwly, B., & Dolz, J. (2004). Os gêneros escolares: Das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In R. Rojo, & G. S. Cordeiro (Eds.), Gêneros orais e escritos na escola (pp. 71-91). Campinas, SP: Mercado de Letras.

[23]   Silva, A. (1991). Alfabetização: A escrita espontânea. São Paulo: Contexto.

[24]   Smolka, A. L. B. (1988). A criança na fase inicial da escrita: A alfabetização como processo discursivo. Campinas: Ed. da UNICAMP.

[25]   Smolka, A. L. B. (2000). A criança na fase inicial da escrita: A alfabetização como processo discursivo (9th ed.). Campinas: Cortez.

[26]   Tfouni, L. (1997). Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez.

 
 
Top