CE  Vol.5 No.20 , November 2014
Analysis of the Relationship between a Learning Group and a Teacher at a Sciences Workshop of the Elementary School
ABSTRACT
This paper aims to investigate the dynamics of a learning group in a science workshop. The group selected for the research consisted of four students of the last years of elementary school I, 9 to 10 years old children. The data were collected by the teacher, upon recording the video lessons, at a public school in the municipality of Londrina-Paraná/Brazil. The theoretical basis used for the analysis and interpretation of the data is psychotherapy guidance, particularly the Theory of the Link Pichon-Rivière. Among the main findings, it is highlighted the link set between the group and the teacher, which contributed to a more stable organization among the members, including with the acceptance of a student who felt excluded. The contributions refer to the discussion of some relevant aspects of collaborative learning in order to promote and support the educational process through learning group in the classroom.

Cite this paper
Zenaide de Fátima Dante Correia, R. and Barros, M. (2014) Analysis of the Relationship between a Learning Group and a Teacher at a Sciences Workshop of the Elementary School. Creative Education, 5, 1792-1803. doi: 10.4236/ce.2014.520200.
References
[1]   Asch, M. S. (1990). Didáctica de lo grupal. Argentina: Instituto Nacional de Perfeccionamiento y Actualización Docente (INPAD). Ministerio de Educación y Justicia.

[2]   Barolli, E. (1998). Reflexões sobre o trabalho dos estudantes no laboratório didático. São Paulo: Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

[3]   Barros, M. A., & Villani, A. (2004). A dinámica de grupos de aprendizagem de física no ensino médio: Um enfoque psicanalítico. Revista Investigações em Ensino de Ciências, 9, 115-136.

[4]   Barros, M. A., Villani, A., Rocha, Z. F. D. C., & Barolli, E. (2005). Analisando a dinámica de um grupo de aprendizagem em ciências no ensino fundamental. Ense?anza de las Ciências, Volume Extra, 1-5.

[5]   Bleger, J. (1989). Temas de psicologia: Entrevista e grupos. São Paulo: Martins Fontes.

[6]   Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Lisboa: Porto Editora (Coleção Ciências da Educação).

[7]   Brown, J. S., Collins, A., & Duguid, P. (1989). Situated Cognition and the Culture of Learning. Educational Researcher, 1, 32-42.
http://dx.doi.org/10.3102/0013189X018001032

[8]   Carvalho, A. M. P., Barros, M. A., Gonçalves, M. E. R., Vannucchi, A. I., & de REY, R. C. (1998). Ciências no Ensino Fundamental: O Conhecimento Físico. Editora Scipione.

[9]   Duschl, R. (1995). Más allá del conocimiento: Los desafíos epistemológicos y sociales de la ense?anza mediante el cambio conceptual. Ense?anza de las Ciencias, 13, 3-14.

[10]   Garnier, C., Bednarz, N., & Ulanovskaya, I. (1996). A aprendizagem como atividade coletiva: Escolha e organização das atividades segundo as correntes soviéticas e sócio-construtivistas. In Após Vygotsky e Piaget (pp. 207-222). Porto: Perspectivas social e construtivista, Escolas russa e ocidental, Artes Médicas.

[11]   Gil-Pérez, D. (1993). Contribución de la historia y de la filosofia de las ciencias al desarrollo de um modelo de ense?anza/ aprendizaje como investigación. Ense?anza de las Ciencias, 11, 197-212.

[12]   Kirschner, P. A. (1992). Epistemology, Practical Work and Academic Skills in Science Education. Science & Education, 1, 273-299.
http://dx.doi.org/10.1007/bf00430277

[13]   Laborde, C. (1996). Duas utilizações complementares da dimensão social nas situações de aprendizado da matemática. In Após Vygotsky e Piaget (pp. 29-46). Perspectivas social e construtivista, Escolas russa e ocidental, Porto Alegre: Artes Médicas.

[14]   Laburú, C. E. (2005). Seleção de Experimentos de Física no Ensino Médio: Uma investigação a partir da fala de professores. Investigações em Ensino de Ciências, 10, 1-19.

[15]   Oliveira, M. K. (1998). Pensar a Educação: Contribuições de Vygotsky. In J. Antonio (Ed.), Castorina (pp. 51-84). Piaget-Vygotsky: Novas contribuições para o debate, São Paulo: ática.

[16]   Pichon-Rivière, E. (1994). O processo grupal (5th ed.). São Paulo: Martins Fontes.

[17]   Pichon-Rivière, E. (1995). Teoria do Vínculo (5th ed.). São Paulo: Martins Fontes.

[18]   Rocha, Z. F. D. C. (2005). Análise da dinámica de um grupo de aprendizagem em ciências no ensino fundamental. Dissertação, Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

[19]   Simon, R. (1986). Introdução à Psicanálise: Melanie Klein. São Paulo: EPU.

[20]   Trumper, R. (2003). The Physics Laboratory: A Historical Overview and Future Perspectives. Science & Education, 12, 645-670.

[21]   Vygotsky, L. S. (1989). A formação social da mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos superiors (3rd ed.). São Paulo: Martins Fontes.

[22]   Wheatley, G. H. (1991). Constructivist Perspectives on Science and Mathematics Learning. Science Education, 75, 9-21.
http://dx.doi.org/10.1002/sce.3730750103

 
 
Top