CE  Vol.5 No.18 , October 2014
Development and Validation of Items to Measure Knowledge in a Basic Nutrition Course
ABSTRACT
The purpose of this paper is to present the steps of planning and monitoring a teaching-learning process proposed for a basic nutrition course offered to health students enrolled at a Public University in Brazil. The theoretical framework discusses the fundamentals of Bloom’s Taxonomy reviewed by Anderson and colleagues (2001) that outline how to establish, organize and classify educational objectives for the cognitive domain. Then, the paper describes the methodology to implement this process in a real learning environment, with a great focus in the construction and validation of a learning assessment. Finally, some recommendations are made regarding the management of the teaching and learning process in undergraduate courses.

Cite this paper
Torres, A. , da Silva Abbad, G. and Bousquet-Santos, K. (2014) Development and Validation of Items to Measure Knowledge in a Basic Nutrition Course. Creative Education, 5, 1629-1641. doi: 10.4236/ce.2014.518180.
References
[1]   Abbad, G. S., & Borges-Andrade, J. E. (2004). Aprendizagem Humana em Organizações de Trabalho. In J. C. Zannelli, J. E. Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos (Eds.), Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil (pp. 237-275). Porto Alegre: Artmed.

[2]   Abbad, G. S., Nogueira, R., & Walter, A. M. (2006). Abordagens instrucionais em planejamento de TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad, & L. Mourão (Eds.), Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações e Trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 255-281). Porto Alegre: Artmed.

[3]   Abbad, G. S., & Zerbini, T. (2012). O contexto e os desafios da educação a distância na atualidade. In S. Alfinito, T. Paschoal, A. Maduro-Abreu, & C. Cantal (Eds.), Aplicações e tendências do uso de tecnologias de informação e comunicação na educação superior presencial no Brasil (pp. 37-82). Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade.

[4]   Abbad, G. S., Zerbini, T., Carvalho, R. S., & Meneses, P. P. M. (2006). Planejamento instrucional em TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad, & L. Mourão (Eds.), Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações e Trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 289-321). Porto Alegre: Artmed.

[5]   Anderson, L. W., Krathwohl, D. R., Airasian, P. W., Cruikshank, K. A., Mayer, R. E., Pintirch, P. R., Raths, J., & Wittrock, M. C. (2001). A Taxonomy for Learning, Teaching and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. New York: Longman.

[6]   Baker, E. L., O’neil, H. F., & Linn, R. L. (1993). Policy and Validity Prospects for Performance-Based Assessment. American Psychologist, 48, 1210-1218.
http://dx.doi.org/10.1037/0003-066X.48.12.1210

[7]   Black, R. E. (2014). Global Distribution and Disease Burden Related to Micronutrient Deficiencies. In R. E. Black, A. Singhal, & R. Uauy (Eds.), International Nutrition: Achieving Millennium Goals and Beyond (Vol. 78, pp. 21-28). Nestlé NutrInst Workshop Ser.
http://dx.doi.org/10.1159/000354932

[8]   Bloom, B. S., Engelhart, M. D., Furst, E. J., Hill, W. H., & Krathwohl, D. R. A. (1956). Taxonomy of Educational Objectives: The Classification of Educational Goals. Handbook 1: Cognitive Domain. New York: David McKay.

[9]   Bonfa, H. C., Viegas, C. R., Santos, A. C. R., Bahiense, R. N., Faria Filho, D. E., & Geraseev, L. C. (2011). Aprimoramento e atualização dos materiais da disciplina de bromatologia. Revista de docência do ensino superior, 1.

[10]   Boog, M. C. F. (2002). Construção de uma proposta de ensino de nutrição para curso de enfermagem. Revista de Nutrição, 15, 15-28.
http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732002000100003

[11]   BRAZIL (2011). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. PDE/ SAEB: Plano de Desenvolvimento da Educação, 132 p.

[12]   Ceccim, R. B., & Feuerwerker, L. C. M. (2004). O Quadrilátero da Formação para a área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. Physis: Revista de SaúdeColetiva, 14, 41-65.
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312004000100004

[13]   Cohen, L., Manion, L., & Morrison, K. (2004). A Guide to Teaching Practice. London: Taylor & Francis, 340-341.

[14]   Filatro, A. (2007). Design instrucional contextualizado: Educação e tecnologia. São Paulo: Senac.

[15]   Gagné, R. (1976). Como se realiza a aprendizagem. Rio De Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

[16]   Haddad, A. E., Morita M. C., Pierantoni, C. R., Brenelli, S. L., Passarella, T., & Campos, F. E. (2010). Formação de profissionais de saúde no Brasil: Uma análise do período de 1991 a 2008. Revista de Saúde Pública, 44, 383-393.
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000015

[17]   Haladyna, T. M., & Rodriguez, M. C. (2013). Developing and validating test items. New York: Taylor & Francis.

[18]   INEP (2010). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas educacionais Anísio Teixeira. Brasília: Guia de elaboração e revisão de itens, 1-19.

[19]   Koshino, P. (2010). A aprendizagem e as interações de um treinamento a distância. Brasília: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília,142 p.

[20]   Mctighe, J., & Ferrara, S. (1994). Assessing Learning in the Classroom: A Report from Professional Standards and Practice. Washington DC: National Education Association.

[21]   Meneses, P., Zerbini, T., & Abbad, G. (2010). Manual de treinamento organizacional. Porto Alegre: Artmed, 168 p.

[22]   Mourão, L., & Meneses, P. R. M. (2012). Construção de medidas em TD&E. In G. S. Abbad et al. (Eds.), Medidas de avaliação em Treinamento, Desenvolvimento e Educação: Ferramentas para gestão de pessoas (pp. 50-63). Porto Alegre: Artmed.

[23]   Nogueira, R. (2006). Efeitos do tempo de exposição ao feedback na aprendizagem em treinamento baseado na web. Brasília: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.

[24]   Oermann, M. H., & Gaberson, K. B. (2014). Evaluation and Testing in Nursing Education. New York: Springer Publishing Company, 54-69.

[25]   Pereira, B. T., Peixe, B. C. S., & Staron, L. (2010). Avaliar a eficiência e eficácia da gestão escolar integral no processo ensino-aprendizagem: estudos de casos nas escolas estaduais da região de Campo Largo. In B. C. S. Peixe et al. (Eds.), Formulação e gestão de políticas públicas no Paraná: reflexões, experiências e contribuições (pp. 17-31). Paraná: Edunioeste.

[26]   Pilati, R., & Abbad, G. S. (2005). Análise fatorial confirmatória da escala de impacto do treinamento no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21, 43-51.
http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722005000100007

[27]   Pilati, R., & Borges-Andrade, J. E. (2006). Construção de medidas e delineamentos em avaliação de TD&E. In Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações e Trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 359-394). Porto Alegre: Artmed.

[28]   Queiroga, F., Andrade, J. M., Borges-Ferreira, M. F., Nogueira, R., & Abbad, G. S. (2012). Medidas de Aprendizagem em TD&E: Fundamentos teóricos e metodológicos. In Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação: medidas para gestão de pessoas (pp. 108-126). Porto Alegre: Artmed.

[29]   Rabelo, M. (2013). A engenharia de Construção de itens. In M. Rabelo (Ed.), Avaliação educacional: Fundamentos, metodologia e aplicações no contexto brasileiro (pp. 176-222). Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática.

[30]   Rodrigues Jr., J. F. (2006). Taxonomias de objetivos em TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad, & L. Mourão (Eds.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 282-288). Porto Alegre: Artmed.

[31]   Saar, S. R. C., & Trevizan, M. A. (2007). Papéis profissionais de uma equipe de saúde: Visão de seus integrantes. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15, Published Online.

[32]   Seidell, J. C. (2014). Worldwide Prevalence of Obesity in Adults. In G. A. Bray, & C. Bouchard (Eds.), Handbook of Obesity: Epidemiology, Etiology, and Physiopathology (pp. 47-54). Boca Raton, FL: Taylor & Francis Group.

[33]   Sordi, M. R. L., & Silva, M. M. (2010). O uso de portfólios na pedagogia universitária: Uma experiência em cursos de enfermagem. Interface, 14, Article ID: 53295813.
http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832010005000018

[34]   WHO (1998). Educational Handbook for Health Personnel.
http://whqlibdoc.who.int/publications/1987/924170635x_eng.pdf

[35]   WHO (2012). Joint UNICEF-WHO—The World Bank. Child Malnutrition Database: Estimates for 2012 and Launch of Interactive Data Dashboards.
http://www.who.int/nutgrowthdb/jme_2012_summary_note_v2.pdf?ua=1

[36]   WHO (2013). The World Health Report 2006—Working Together for Health.
http://www.who.int/whr/2006/en/

 
 
Top